sábado, 23 de julho de 2011

A mulherada da Crucified Barbara da Suécia

A mulherada da Crucified Barbara (foto Divulgação)

Outro dia conversava com um amigo meu e ele falou que estava curtindo Sahara Hotnights - que inclusive foi feito um especial sobre a banda no programa Mundo Rock de Calcinha (ouça aqui) um tempo atrás - e que achava estranho não ter mais banda da Suécia. Ai lembrei na hora de Curcified Barbara, com formação 100% feminina, pouco lembrada no Brasil, e ele gostou bastante.

Fui verificar o site oficial da banda e desde 2009 não foi lançado mais CD, mas nada de criar pânico porque as suecas já estão em estúdio gravando novo material - com previsão de lançamento em dezembro - produzido por Chip Kiesbye.

Enquanto o novo CD não chega, vou falar um pouco sobre o último - batizado de "Till Death do us Party" (2009), que diferente do debut CD "In Distortion We Trust" (2006) que tinha uma pegada mais punk, além de fortes influências de Motörhead e Girlschool - servindo de bom cartão de visitas da banda - o último álbum é muito mais metal com destaque para os riffs das guitarras de Klara Force que também mostra bastante virtuosismo nos solos.

"Killer on his Knees" abre o disco com muita energia, convidando o ouvinte para se sentir em um verdadeiro show de arena com a platéia agitando e cantando em coro. As próximas três faixas da sequência "Pain & Pleasure", "Sex Action" e "Creatures" mantêm o peso metal. O primeiro clipe desse CD é da música "Sex Action" - uma sátira referente aos posers que se acham fodões e que infelizmente ainda circulam pelo mundo do rock. (veja aqui)

A banda dá uma baita escorregada do estilo proposto, mergulhando num ritmo hard rock cadenciado com violão no começo e refrão chiclete 'a lá' Skid Row e Poison, em "Jennyfer", música com participação de Mats Levén (vocalista do Therion) que também é responsável pela parte técnica ao lado de Jocke Skog (tecladista do Clawfinger). E participação especial não para por aqui, pois o guitarrista Phil Cambell (Motörhead) acompanha as moçoilas em "Dark side", fazendo o disco voltar a ter mais peso dessa faixa pra frente.

"Can't handle love" e "Blackened Bones" seguem no peso feito sempre com competência por Nicki Wicked (bateria), Ida Evileye (baixo), Klara Force (guitarra) e Mia Coldhear (vocais e guitarra). E lá vem de novo outra com início cadenciado, "Danger Danger" - num estilão Bon Jovi - e hard rock farofa no refrão. "Rats" volta ao peso feito no início do disco e "Feels Like Death" encerra o CD com excelente força da bateria porrada na orelha.

Fora os dois desvios do estilo proposto, nesse álbum Crucified Barbara consegue mostrar a que veio no mundo da música, provando que não são somente gatas gostosas com rostinhos bonitos, e com certeza a banda pode passar tranquila pelas cobranças naturais sempre feitas pelas pessoas em comparação ao primeiro trabalho, pois "Till Death do us Party" contém profissionalismo, maturidade, sem frescuras, com a mulherada mandando bronca no instrumental melhor do que muito marmanjo que existe por aí.

Nota 8,5

Crucified Barbara
CD Till Death do us Party
Ano 2009
Gravadora: GMR Music (importado)

Faixas:
01. "Killer on his Knees"
02. "Pain & Pleasure"
03. "Sex Action"
04. "Creatures"
05. "Jennyfer"
06. "Dark Side"
07. "Can't Handle Love"
08. "Blackened Bones"
09. "Danger Danger"
10. "Rats"
11. "Feels Like Death"

Nenhum comentário: